Blog

Fique por dentro de conteúdos e artigos interessantes acessando nosso blog.

Terceira idade tem cuidados oculares específicos! Confira

A terceira idade por si só já vem cheia de cuidados específicos, e com os olhos não é diferente. Os problemas na visão podem surgir em qualquer idade, no entanto, são mais frequentes nos idosos. Por este motivo, se prevenir fazendo check-ups anuais com um oftalmologista é tão importante!

Apesar de muitas condições oculares recorrentes na terceira idade serem consideradas normais pelos médicos (por causa do desgaste de estruturas, acúmulo de substâncias, entre outros), é importante deixar claro que a prevenção, além de evitar o surgimento de novas doenças oftalmológicas, também interfere, em alguns casos, na gravidade das consequências destas doenças no organismo.

Então, você sabe quais são as doenças oculares mais comuns nesta faixa etária e como prevení-las? E quais são as doenças crônicas sistêmicas que também podem interferir na qualidade da sua visão? Confira!

COMO O ENVELHECIMENTO CAUSA PROBLEMAS NA VISÃO?

Na verdade, o envelhecimento aumenta o risco de algumas condições oculares que interferem na visão. Alguns quadros como diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e metabólicas aumentam o risco de doenças oculares relacionadas à idade.

Além disso, com o passar dos anos, a decaída na qualidade da visão pode também piorar quadros de depressão e ansiedade. Como? Simples, muitos idosos, por não enxergarem muito bem, acabam ficando com medo de cair, o que, associado com a perda de equilíbrio e mobilidade restrita, podem levar à alterações na marcha, que desencadeia outros problemas ortopédicos.

Desse modo, é sempre bom lembrar que manter um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada e prática de exercícios físicos colabora, e muito, para uma qualidade maior na saúde em geral. E, claro, fazer exames regulares, tomar suplementos vitamínicos – com aval médico – e também colaboram para prevenir algumas doenças oculares.

ENTÃO, QUAIS DOENÇAS OCULARES SÃO “NORMAIS” EM IDOSOS?

Como já dito anteriormente, algumas doenças oculares são consideradas normais em idosos por causa do próprio desgaste físico causado pelo envelhecimento. No entanto, algumas situações podem potencializar o risco delas acontecerem, como alterações hormonais, fumo, consumo excessivo de açúcar, por exemplo. Aqui vai uma lista com essas doenças oculares mais frequentes:

1. SÍNDROME DO OLHO SECO

A diminuição da produção natural de lágrimas é muito comum, tanto que 75% das pessoas com mais de 65 anos apresentam secura dos olhos devido à isto. Porém, olhos secos também podem ser causados, ou agravados, pelo:
• fumo;
• ingestão de café;
• alterações na menopausa;
• uso de computador;
• uso excessivo de açúcar;
• desidratação e alergias.
Contudo, olhos secos também podem ser sintoma de algumas outras condições clínicas, como diabetes ou doenças autoimunes. Nesses quadros, as lágrimas artificiais são às vezes prescritas mas servem apenas como alívio temporário e podem exacerbar o problema.

2. PRESBIOPIA E HIPERMETROPIA
A presbiopia é um tipo de erro refrativo na visão em que ocorre a disfunção do foco da imagem relacionado à idade. Este borrão na visão de perto influi diretamente na qualidade do trabalho fino, como ler e costurar, por exemplo. Isso acontece, muitas vezes, pelo aumento da rigidez no cristalino, a lente do olho, o que dificulta a manutenção do foco da imagem. A hipermetropia, outro erro refrativo que dificulta a visão de perto, é, na verdade, causada por influências herdadas e ambientais na forma do globo ocular. Em ambos os casos, óculos e/ou cirurgia podem ser recomendados.

3. REDUÇÃO DA PUPILA
Normalmente decorrente de alterações neurológicas, o tamanho reduzido da pupila faz com que pessoas idosas respondam menos às mudanças na iluminação ambiente. Como a resposta às alterações de luz é mais lenta, essas pessoas precisarão de mais luz para leitura e de proteção adequada contra a luz solar intensa.

4. PERDA DA VISÃO PERIFÉRICA
Antes de tudo, vale lembrar que a perda de visão periférica também pode ser sintoma de quadros mais graves, como o glaucoma, por exemplo. Todavia, é comum que, ao chegar aos 70 anos, ocorra uma redução de 20 a 30% no campo de visão.

5. ENXERGAR MENOS CORES
Também sendo decorrente de alterações nervosas e nas células da retina, o fato de enxergar menos cores é considerado comum nos idosos. Porém, da mesma maneira que o problema anterior, é preciso se assegurar através de um diagnóstico preciso, que este não é outro sintoma de problemas mais graves, como o descolamento de retina.

E AS DOENÇAS MAIS GRAVES?

As condições oculares mais graves sempre envolvem outros problemas sistêmicos, comumente a hipertensão arterial e diabetes. As doenças mais frequentes consideradas graves são o Glaucoma, Catarata, Retinopatia diabética e Degeneração macular relacionada à idade.

Independente da gravidade da doença, é importante, mais uma vez, deixar claro a necessidade de se consultar frequentemente com um oftalmologista e manter um estilo de vida saudável. Ainda mais se você tem algum caso dessas doenças na família! Prevenir é sempre melhor do que remediar.


IOSG | Há 40 anos trazendo mais detalhes em sua vida!

Fonte:
“Prevenção Ocular”. Disponível em: http://www.schaefer.com.br/2016-04-08-15-13-56/prevencao-ocular-2/137-cuidados-com-a-visao-na-terceira-idade.html

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *