Blog

Fique por dentro de conteúdos e artigos interessantes acessando nosso blog.

GESTANTES | Alterações visuais relacionadas aos hormônios da gravidez #iosgparagestantes

Olho seco, sensibilidade à luz, dores de cabeça e tontura. Quem diria que além dos enjoos, inchaço e o aumento de peso, os hormônios da gravidez pudessem também causar alterações visuais? Isso mesmo, os primeiros sintomas citados podem ser consequência, por exemplo, do aumento do grau de miopia na mulher grávida, que por muitas vezes passa todo o período de gestação com uma dor de cabeça chata, supondo ser apenas uma consequência comum da gravidez.

Super importante principalmente durante o primeiro trimestre da gestação, o hormônio progesterona é produzido pelos ovários e prepara o endométrio, tecido que reveste internamente o útero, para receber o embrião e previne abortos espontâneos. No entanto, ele também é o responsável por outros sintomas bem chatinhos: os enjoos, salivação, sono, alterações de humor e os especialistas acreditam que afete também o colágeno da córnea, causando as alterações visuais.

PROBLEMAS VISUAIS MAIS COMUNS NAS GESTANTES

Então, a quais alterações visuais as gestantes precisam ficar mais atentas? Entre eles, estão:

ALTERAÇÕES NO GRAU
A córnea é um tecido transparente que reveste a parte colorida dos olhos, como o vidro de um relógio e as fibras de colágeno são importantes para a manutenção de sua estrutura e formato. Como a progesterona afeta o colágeno dos olhos, a córnea pode sofrer aumento de espessura e ambos, córnea e cristalino, podem ter um aumento de curvatura, levando a um desvio refrativo e consequentemente a elevação do grau dos óculos.

A boa notícia é que a mudança é normalmente momentânea, e o grau volta ao nível anterior em até oito meses após o nascimento do bebê. No entanto, os principais sintomas são as dores de cabeça e tonturas, além da dificuldade para enxergar. Por isso, o ideal é que a mulher ajuste as lentes para o novo grau durante o período necessário.

SENSIBILIDADE À LUZ e SÍNDROME DO OLHO SECO
A claridade também pode se tornar um incômodo, pois a alteração do formato da córnea aumenta a sensibilidade à luz, causando a chamada fotofobia e crises de enxaqueca. Nesses casos, óculos de sol com proteção contra os raios UVA e UVB e até mesmo as chamadas lentes Transitions, que se adaptam ao nível de claridade, são muito indicados.

Agora a sensação de coceira, vermelhidão e impressão de que há ciscos nos olhos são típicos da Síndrome do Olho Seco, um dos problemas oculares mais comuns durante a gestação. As alterações hormonais reduzem a produção de lágrimas, então situações como a exposição dos olhos ao vento, fumaça, ar condicionado e poeira podem causar incomodo. O que pode ser amenizado com o uso de colírios de lágrimas artificiais.

Ambas as condições são temporárias e tendem a desaparecer após o parto.

SINTOMAS DA PRÉ-ECLAMPSIA E DO DIABETES GESTACIONAL
A pré-eclampsia é um estado de hipertensão durante a gravidez. Seus sintomas podem ser identificados através dos olhos em até 8% das gestantes, aparecendo como: manchas, pontos pretos ou flashs no campo visual, perda temporária da visão, sensibilidade à luz e visão embaçada. É muito perigosa e costuma aparecer após a 20ª semana.

Já a diabetes gestacional acontece devido ao aumento do HPL (Hormônio Lactogênio Placentário),  que inibe a produção de insulina, aumentando os níveis de glicose no sangue. Os altos níveis glicêmicos são fatores de risco para doenças oculares em qualquer pessoa, podendo danificar os vasos sanguíneos da retina e causando problemas de visão relacionados principalmente à nitidez e foco.

Em caso de quaisquer sintomas ou suspeita, se consulte com seu ginecologista obstetra e também com um oftalmologista. Não é recomendado para as gestantes o uso de nenhum medicamento sem prescrição médica para aliviar os sintomas das alterações oculares, mesmo os mais simples, pois podem causar riscos para o bebê.

Conte com o IOSG também durante essa fase tão especial!

IOSG – Há 40 anos trazendo mais detalhes em sua vida!

Fonte:
– Revista Veja Bem, Conselho Brasileiro de Oftalmologia, 06, ano 3, 2015.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *