Blog

Fique por dentro de conteúdos e artigos interessantes acessando nosso blog.

Conheça 4 tratamentos para RETINOPATIA DIABÉTICA

Você sabia que nós consumimos açúcares em diversos alimentos? No tradicional açúcar de mesa, no leite, e em carboidratos como pães, massas e arroz. Em condições normais, nosso organismo transforma esses tipos de açúcares em glicose, e a insulina ajuda a levá-la para dentro das células, onde será transformada em energia.

Mas existem doenças que atrapalham esse processo, como é o caso do diabetes mellitus, fazendo com que os níveis de glicose no sangue fiquem muito elevados, podendo gerar consequências como a RETINOPATIA DIABÉTICA. Nesse caso, ou há baixa produção de insulina (como ocorre no diabetes tipo 1), ou o organismo cria uma resistência à insulina produzida, ou seja, ela se torna incapaz de transportar a glicose (diabetes tipo 2).

POR QUE O EXCESSO DE AÇÚCAR CAUSA RETINOPATIA DIABÉTICA?
Por não ser absorvida pelas células, a glicose acaba se acumulando no sangue, “grudando” principalmente na parede de pequenos vasos sanguíneos, como os que passam por dentro dos olhos. Isso bloqueia o fluxo sanguíneo e impede que oxigênio e nutrientes cheguem até células da retina. Dessa forma, o corpo entende que é necessário fabricar novos vasos sanguíneos, processo chamado de neovascularização. Porém, esses novos vasos são DEFORMADOS E FRÁGEIS, e podem se romper e causar uma hemorragia dentro dos olhos, levando à perda da visão.

E QUAIS SÃO AS FORMAS DE TRATAMENTO?
O tratamento da retinopatia diabética vai depender do estágio da doença, sendo necessária intervenção cirúrgica apenas na fase mais desenvolvida, quando há crescimento de novos vasos sanguíneos.

1) Acompanhamento médico:
Seguir uma dieta recomendada por um nutricionista, controlando os níveis de glicose no sangue, pode trazer de volta um pouco da visão. Mas o tratamento correto do diabetes é essencial, então não deixe de tomar o medicamento receitado pelo oftalmologista.

2) Injeção intraocular de anti-VEGF:
Quando há edema macular (inchaço), uma forma de tratamento são as injeções intraoculares (dentro do olho) para injetar medicamentos que impedem a formação de novos vasos. Esses medicamentos são chamados anti-VEGF (anti-angiogênicos), como: Avastin (bevacizumabe), Eylea (aflibercepte) e Lucentis (ranibizumabe). Injeções de medicamentos esteroides também são uma alternativa.

3) Cirurgia a laser (panfotocoagulação):
Nessa cirurgia, o laser é utilizado para vedar as lesões nos vasos da retina, evitando o vazamento de sangue, e diminuir o crescimento de novos capilares. Dessa forma, o inchaço é reduzido, e impede a piora da perda da visão.

4) Vitrectomia:
Em casos mais avançados, como a hemorragia severa, a vitrectomia é a mais recomendada. Nessa cirurgia, parte do gel vítreo – fluido gelatinoso que preenche o olho – é retirado, juntamente com o sangue hemorrágico e tecido de cicatrização.

A MELHOR PREVENÇÃO É O ACOMPANHAMENTO MÉDICO
Geralmente, as primeiras fases da doença não apresentam sintomas, e a melhor forma de prevenção é o controle dos níveis de glicose no sangue, da pressão arterial e do colesterol. Além disso, todo paciente diabético deve realizar o EXAME DE FUNDO DE OLHO uma vez ao ano, e como a gestação pode agravar o caso, mulheres diabéticas grávidas devem realizar o exame a cada trimestre.

Não deixe sua saúde de lado, agende uma consulta e conte com nossos oftalmologistas, a prevenção pode impedir a perda da sua visão!

IOSG | Há 40 anos trazendo mais detalhes em sua vida!

Fonte:
– American Academy of Ophthalmology. “Diabetic Retinopathy Treatment”.
– Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo.
– Manual MSD – Versão Saúde para a Família.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *